Valor da contabilidade paga por CMEIs causa polêmica em reunião de Comissão de Educação

Ação do Mandato | jun 12 | 2017 | No Comment

A Comissão de Educação da Câmara aprovou convocação da Secretária de Educação, Justina Iva, para prestar esclarecimentos sobre o valor gasto pelos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) para pagamento de serviço de assessoria contábil. Na tarde desta segunda, 12,  Justina Iva veio até o plenário para tirar dúvidas e responder os questionamentos. A empresa Juriscon, responsável pelos contratos com os CMEIs, também foi convidada para prestar esclarecimentos.

A partir de fiscalização do mandato do vereador Sandro Pimentel (PSOL),  foi verificado que cada CMEI gasta, por ano,  R$ 8.124,16 com serviços de contabilidade. Essas informações irão compor relatório da Comissão sobre a situação dos CMEIs. Segundo as informações coletadas, em alguns centros, esse valor compromete  mais de 40% do orçamento anual.

Segundo o representante da empresa,  Leandro Nunes,  os contratos entre os CMEIs  e a Juriscon não são obrigatórios.   Segundo Leandro, o valor cobrado pela empresa está abaixo do  piso estabelecido para atuação de contabilista. Ele usou seu tempo de fala para explicar quais são os serviços prestados pela empresa. Uma das alegações do relatório é que o gestor da escola acaba por acumular tarefas na construção da prestação de contas da escola.

A Secretaria de Educação, Justina Iva,  preferiu criticar a denúncia feita pelo vereador do PSOL.  Chamou de denuncismo as alegações e ainda afirmou que não deveria ser a secretaria de educação a responder sobre o valor dos contratos, já que eles são firmados diretamente com os CMEIs.  Segundo Justina, a secretaria buscou alternativas na administração da  Prefeitura  para ter uma alternativa menos custosa para os Centros, mas não foi possível.  A gestora ainda acusou o vereador Sandro Pimentel de agredir a imagem dos gestores de escolas públicas.

Em sua fala, o vereador Sandro questionou  a razão de sangrar a  manutenção das escolas para pagar escritório de contabilidade. Para o vereador, os gestores ficam sem alternativa,  “ou  pagam” um escritório de contabilidade ou “vão para os cadastros” [de  mau pagadores].  O vereador voltou a questionar porque as secretaria não paga diretamente os contadores.  Sandro ainda respondeu diretamente a secretária de educação por tentar jogar os  gestores do CMEI contra o mandato.  Elogiou  o trabalho da empresa Juriscon, mas lembrou que esse valor deveria ser pago diretamente pela secretaria municipal de educação sem prejudicar a manutenção das escolas.

“Acredito que a empresa Juriscon esclareceu muito bem o trabalho feito, contudo continuo com a mesma percepção de que não é justo para escolas usar metade do orçamento anual para pagar escritório de contabilidade. Acho que é uma injustiça muito grande,  interfere na manutenção das escolas. Não acho prudente, vou continuar lutando para mudar essa realidade”, afirmou Sandro.